Em seu terceiro ano à frente da Tradição, a presidente Raphaela Nascimento conquistou um vice-campeonato, em 2016, e o terceiro lugar, em 2017, duas boas colocações para a nova guerreira do mundo do samba. Neta do saudoso presidente de honra da Portela, Natal, e nascida praticamente no berço do samba, ela vivenciou o espetáculo sempre como componente e auxiliar do pai, Nésio Nascimento, ex-presidente. Porém, admitiu que ser presidente de uma agremiação não é uma tarefa fácil, mas muito complexa, onde é preciso administrar o amor pelo pavilhão e a execução do trabalho para que a escola apresente seu Carnaval na Avenida.

Feliz pelos resultados conquistados, Raphaela disse que o seu objetivo maior é ganhar o Carnaval e levar a sua querida Tradição de volta à Marquês de Sapucaí. Para isso, ela garante: “Vou apostar num desfile memorável do enredo ‘Sabá – soberana da Etiópia, sedutora de Jerusalém’ tanto para a escola quanto para o público da Intendente Magalhães”, salientou.

“Neste segundo ano de minha administração à frente da Tradição, conquistei diversos amigos e também a comunidade da minha escola. Meu motivo de orgulho é ver que a escola está recuperando cada vez mais seu amantes e pessoas que gostam dela, como a comunidade. Quem esteve na Intendente viu que depois que a escola passou, as arquibancadas ficaram mais vazias. Acho que todos queriam ver o enredo o ‘Largo dos Cisnes’. Foi um orgulho grande ver que conseguimos colocar nosso projeto na Intendente Magalhães, já que nunca ninguém tinha apresentado um enredo erudito na Passarela do Povão. No balanço geral, o resultado foi muito positivo, já que saímos aclamados como campeões do Carnaval. Isso não tem preço. O nosso reconhecimento é a satisfação dos nossos torcedores, componentes, segmentos e comunidade. Sem eles não conseguiríamos colocar a escola na Avenida. Gostaríamos de ter conquistado o título, porém se o objetivo não foi alcançado, vamos trabalhar, corrigir os erros e nos prepararmos para o próximo Carnaval. Vamos incomodar muito em 2018 por conta do nosso enredo”, disse muito emocionada.

A escola apresentou seu enredo no desfile de 2017 com 650 componentes, distribuídos por 16 alas. Na opinião da presidente da Tradição, os pontos de destaque do desfile e que fizeram a diferença foram as alas de bailarinas, principalmente a que reuniu várias crianças.

“Acho que os destaques foram as alas de bailarinas. Todo mundo achou que a escola viria de preto e branco e toda mórbida. No entanto, não foi isso que a Tradição apresentou. A surpresa surgiu na comissão de frente, já que entramos na Avenida com homens representando feiticeiros. Além disso, as bailarinas brancas, todas crianças, foram peças importantes do desfile; o mestre de bateria vindo no tripé como Tchaikovsky, regendo a bateria de costas para o público; a ala das baianas, que representou as rainhas más, onde colocamos luzes piscando; e o carro alegórico. Apresentamos os quatro atos de um dos maiores clássicos do balé: “O Lago dos Cisnes”, do compositor russo”, acrescentou.

Raphaela explicou que para colocar o Carnaval na Avenida em época de crise e não acumular dívidas foi necessário começar a trabalhar com antecedência, além de contar com mão de obra especializada, ajuda de parceiros e de algumas coirmãs.

“Quer saber como é fazer Carnaval com pouco recursos? Bom, primeiro começamos o Carnaval muito cedo, em junho, e desenvolvemos o projeto. Já em dezembro, estávamos com as alas todas prontas só ficando o carro para ser finalizado. A falta de recursos foi até de certa forma satisfatória, porque algumas pessoas desempregadas se prontificaram a trabalhar para melhorar a renda e conseguimos mão de obra mais barata. Paguei de junho a dezembro as pessoas e consegui preços mais em conta nos tecidos. Também contei com a carta de crédito que é uma coisa muito boa. Sou agradecida também às escolas São Clemente, Beija-Flor e Portela, todas me ajudaram bastante. Enfim, foi um trabalho grandioso cujo resultado foi apresentado no dia do desfile. Todos que trabalharam comigo estão de parabéns”, ressaltou.

A dirigente disse ainda que já iniciou os trabalhos rumo ao próximo Carnaval. “Vamos apresentar uma história forte. A Tradição contará a história da rainha africana Sabá e o amor dela por Salomão… sua caminhada até Jerusalém. Será uma mistura de força, garra e emoção. Quando sentei para conversar com o carnavalesco Leandro Valente, pedi que o próximo enredo fosse forte e aguerrido para que a escola entrasse com o pé direito na Avenida em 2018. A nossa rainha Sabá, africana e negra, representará muito bem a força da mulher, que atualmente tem conquistado seu espaço no mesmo patamar dos homens. A Tradição foi feliz em escolher esse enredo e acredito que faremos outro belo desfile. Será com certeza mais um outro grande espetáculo, estou muito feliz em desenvolver esse projeto”, ressaltou.

Fotos:
01 – Divulgação
02 – Tradição recebe Prêmio SRzd Carnaval 2017 de melhor escola da Série B. Foto: Juliana Dias
Anúncios